jamaica

As mulheres escondidas da cultura sound system

...
...
...

(traduzido do artigo original de Emma Finamore, “The hidden women of sound system culture” para o site I.D.-Vice – link aqui)

(por Dani Pimenta)

“Leia tudo sobre a rica tradição de sistema de som do Reino Unido e você vai encontrar uma história das comunidades do Caribe marginalizadas. De visionários e rebeldes, DJs, MCs e engenheiros de som, do roots, ska, rocksteady, dub e reggae, desde as ruas de Londres até o caminho para Huddersfield, dos anos 50 até os dias atuais. Mas no meio de tudo isso, você provavelmente não vai ver quaisquer nomes femininos.

Ironicamente, isso levou uma mulher – Mandeep Samra –  a criar o Sound System Culture, o primeiro projeto do Reino Unido sobre o assunto, que mostra e documenta a história da cena pela primeira vez em Huddersfield (lar de uma cena próspera para os sistemas de som), em seguida em Bristol, Birmingham, e agora Londres, onde o Tabernáculo de Notting Hill está hospedando uma exposição aprofundada sobre o tema.

Sound System Culture – Trailer from Mandeep Samra on Vimeo.

untitled-article-1452709756

Samra cresceu rodeada pela música de diáspora do oeste da Índia, e este é um assunto com o qual ela se preocupa profundamente. “A maioria dos projetos em que estive coloquei o sentimento como trabalho”, diz ela. “Mas isso veio do coração.” Você pode perceber isso nos cuidados e detalhes do “show” em formato de exposição que ela montou: belas fotografias de arquivo estão penduradas ao lado de folhetos antigos coloridos e cartazes abrangendo os últimos 50 anos da cena; os visitantes podem assistir a um documentário longa-metragem sobre o nascimento do ska e ver um sistema de som em ação. É profundo, e Samra seria a primeiro a admitir que o projeto revelou poucas histórias lideradas por mulheres, e não foi por falta de pesquisa: elas são apenas muito mais difíceis de encontrar. De fato, no evento “Sound System Outernational – Sonic Entanglements: Jamaica, Europe, Brazil“, que aconteceu na Universidade Goldsmiths de Londres em 16 de janeiro passado, apenas quatro dos 16 palestrantes são mulheres.

Dubplate Pearl, seletora de roots e dub, residene do sudeste de Londres e que toca com o jornalista e seletor David Katz, e tem passagem por vários sistemas de som, seguiu de perto a cena de Londres do final dos anos 1970 ao final do 1980. Ela se lembra de uma cena que esteve bastante aberta às fãs do sexo feminino – “Nós seguíamos os sounds em todo sul, oeste e norte de Londres, bons tempos.” – Mas recorda também algo diferente: se você quisesse atravessar o fosso de gênero e se envolver com a música. Ela acha que não foi dado às mulheres o acesso que teria permitido que elas se tornassem figuras proeminentes dos sistemas de som.

“Aos sábados, os caras tocavam os vinis, e se você queria uma cópia do que estava tocando você tinha que levantar a mão”, ela se lembra . “Mas eles apontavam para mim e diziam: ‘Ela não é parte de um sistema de som, não vendam para ela’.” Nota do Groovin Mood: no artigo original, esse trecho é diferente. A própria Pearl me enviou um inbox explicando o que rolava mesmo, e está aí. :)

“Gostava de ir para a loja de discos em uma tarde de sábado, e tinha um pouco de “não-não” para as mulheres. Os caras tocavam o vinil, e se você queria comprá-lo você tinha que colocar a mão, segurar para si”, ela se lembra . “Mas eles apontavam para mim e diziam: ‘Ela não é parte de um sistema de som, não vendam nada para ela’.”

Há outras questões práticas que estavam no caminho das mulheres que criaram seus próprios sistemas de som: as caixas eram muito pesadas, e dependendo dos locais, por vezes, tinham de ser carregadas por até 14 lances de escadas. Os sistemas também eram muitas vezes feitos em casa, e as mulheres do Reino Unido nos anos 1970 e 1980 não eram normalmente ensinadas a ter habilidades elétricas para a construção das caixas. Despesas eram uma barreira muito grande – para todos os sexos. Existem histórias de homens que tocavam sem a roupa de baixo, por terem gasto todo o dinheiro em cabos elétricos. Porém, para as mulheres da época, que muitas vezes não tinham o seu próprio dinheiro, ou tinham que gastá-lo com a família, os fundos para a criação de um sistema de som e compra de discos raros simplesmente não estava disponível.

Mas Dubplate Pearl conseguiu construir uma coleção de vinil impressionante, finalmente. “Às vezes, quando estou tocando registros raros eu posso ver os caras olhando para mim, pensando: ‘O que esse disco está fazendo na mão de uma menina, que não está destinada a ter músicas como essa?!’ “- e mesmo que ela nunca tenha sido parte de um sistema de som específico, desenvolveu know-how técnico e habilidades de seletora também. Ela fala sobre codificação de cores em seus discos, dividindo-os em gêneros para que ela possa escolhê-los mais rápido (algo que ela disse ser visto como “feminino” no começo, mas que agora vê DJs do sexo masculino copiando a ideia) e fala com entusiasmo sobre a instalação do sistema de som na exposição atual. “O que Paul [Dr. Huxtable do Axis Sound] está fazendo com o sistema de som da válvula original é apenas como era nos primeiros dias”, diz ela, sorrindo. “Ele está apenas fazendo um círculo completo”.

Outras mulheres abriram caminho através da divisão de gênero também. Dubplate conta sobre Mellotone Sound System – um sistema de som do Reino Unido feito apenas por mulheres, que tocam reggae, ragga, revival, swing e soul – e fala sobre Valerie Robinson do Nottingham’s V-Rocket sound, e Naoko the Rock, parte do Ska Lavin de Londres tocando ska, rocksteady e reggae. “Essas meninas, quando se fala de música, têm esse conhecimento e grandes coleções”, diz ela.

Lady Lyrical é uma dessas mulheres: a seletora e MC dirige um sistema de som só de mulheres no Reino Unido. Ela está em cena há 11 anos tocando  dubplates e usando-os para competir em sound clashes. Seu pai era de uma banda, então ela cresceu em torno dos sistemas de som, locais e ensaios. Em 2004, um amigo abriu uma estação de rádio, ela se ofereceu para ser DJ e nunca olhou para trás. “Este negócio é muito mais difícil para as mulheres, para operar e ser levada a sério. Inicialmente, eu passei anos tendo que me provar mais e mais outra vez.  Fui muitas vezes julgada pelo meu gênero em vez de minhas habilidades como seletora ou MC.”

“A nossa forma de tocar é diferente,” Dubplate explica. “Os caras podem querer sempre tocar coisas mais obscuras, eles não querem tocar sons ‘comuns’, mas nós tocamos músicas porque gostamos delas.” Para ela, a mulher é livre para operar fora da atmosfera criada por sistemas de som masculinos.

Lyrical acha que por estar presente em sound clashes muitas vezes egoístas, ela está ajudando a quebrar as barreiras para outras mulheres. “Alguns anos atrás, um selector do sexo masculino me disse que ser mulher é algo negativo, e eu recebi alguns comentários ásperos ao longo dos anos”, diz ela, “e enquanto o reggae e os sound clashes muitas vezes são vistos de forma negativa, ter uma mulher representando isso faz com que outras mulheres vejam de forma mais acessível. Eu gosto de pensar isso quando o meu som rola.”

Amanda Huxtable cresceu nos 70´s de Brixton, e é filha de um soundman jamaicano – Neville Grizzle, do Ghost Sound. Casou-se com um soundman britânico, Paul Huxtable do Axis Sound, que construiu o sistema de som utilizado nas exposições de Samra. Para ela, a história das mulheres na cultura do sistema de som é um dos grandes suportes e apoios: sem nós, sistemas de som nunca teriam existido ou sido desenvolvidos. “Minha mãe era de suporte do som, indo para as festas do sound sem reclamar sobre quanto meu pai gastou nele”, lembra ela. “Meu pai trabalhava muito duro durante a semana como um engenheiro, e na sexta-feira passava pela loja de discos, mas sempre fez com que tivéssemos provisões: pão jamaicano, manteiga Anchor e discos Greensleeves.”

A família cresceu em torno do sistema de som, o que exigia um esforço tanto da mãe quanto do pai. “Quando menina, lembro-me do ‘boom, boom, boom’ quando íamos dormir à noite, adormecendo ouvindo uma linha de baixo. Lembro-me do feltro do prato giratório e das luzes bonitas dos amplificadores, e o calor brilhante dos amplificadores de válvulas”, diz Huxtable. “O sistema de som do meu pai foi mantido em nossa casa de família, e por isso a casa teve de ser adaptada. Mamãe e papai investiram em um porão externo, que tinha uma escada especial construída e uma escotilha sob o sofá para manter as grandes caixas de grave abaixo da casa! As crianças tiveram de ser ensinado o que podiam e não podiam tocar, e, às vezes, éramos convocados para ajudar com pequenas tarefas, talvez vendendo risólis ou bebidas.”

Isso não quer dizer que Huxtable acredita que as mulheres só podem estar em um papel de apoio aos homens; ela enxerga isso como uma tradição de dominação masculina que está lentamente se tornando menor.

Lyrical é a esperança de que as mulheres vão ser mais proeminentes nos próximos anos também. “Quando eu comecei na cultura de sistema de som, eu realmente tive que cerrar os dentes contra certas atitudes masculinas. Posso dizer com segurança que, agora, à medida que mais mulheres entram no negócio como promoters, DJs, MCs, proprietárias de locais públicos, a balança definitivamente está se tornando mais equilibrada.” E, certamente, o equilíbrio é a opção certa para a cultura do sistema de som; é tudo sobre “um só amor” no fim das contas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Powered by: Wordpress