Music is our occupation.

Groovin Mood

Selecta Mood: Pica Pau, do Kulcha Sounds (SP)

Indo um pouco além das entrevistas, o Groovin Mood decidiu explorar (no bom sentido) os seletores país afora e criar o Selecta Mood, onde o convidado contará um pouco da sua história e indicará dez sons da música jamaicana que ele considera indispensáveis para colecionadores ou simples mortais ouvintes, como nós.

(foto: Flavio Rudeboy)

Começamos a sabatina com o Selectah Pica Pau, do Kulcha Sounds (SP – www.twitter.com/kulchasounds), que contará aos leitores do blog quais são, na opinião dele, as dez obras feitas na ilha e consideradas indispensáveis e/ou importantes para quem quer conhecer mais da trajetória musical jamaicana.
Como DJs na cena há mais de 10 anos, eu e Zambol tocamos em diversas casas importantes, como as lendárias Banzai em São Caetano e Reggae Night em Interlagos. Em 2005 nos unimos para um projeto chamado SoundSystem Culture, e o próposito era fazer uma festa soundsystem aos moldes jamaicanos no ABC. Algum tempo depois, já com repertório e equipamentos maiores, o projeto passou a se chamar Kulcha Sounds (Kulcha = Cultura, no dialeto Jamaicano). Apesar da mudança de nome, a nossa proposta continua a mesma: levar a boa música jamaicana underground ao público. A seleção vai do roots ao dancehall, e nesse processo é usada a parafernália sonora analógica necessária para extrair o melhor som possivel e manipular a música como manda a tradição do dub.
No TOP 10 a seguir, o supra sumo do que considero essencial. É claro que falta muuuuita coisa aí, mas como só posso escolher dez…”

#1 - Junior Byles – Fade Away, 1975 – Sua voz suave, quase rouca, faz dessa música uma pérola unica, sucesso absoluto na Jamaica e na Inglaterra. Ela foi gravada pouco antes da morte de Selassie, perda que deixou Byles em profunda depressão e nunca mais deixou que o artista lançasse nada muito relevante.”
#2 - Barrington Levy – Under Mi Sensi, 1984 – “Se você está montando seu soundsystem, esse é primeiro disco que tem que comprar”, palavras de Ernie B, que explicam o poder dessa música. Barrington foi um dos artistas mais regulares da Jamaica sempre lançando ótimos discos, e ainda hoje continua na ativa.
#3 - Linval Thompson – I Love Marihuana,1978 – Clássico gravado no não menos clássico Studio One, pelos melhores músicos da época, elevou ao estrelato o cantor e produtor Linval Thompson.
#4 - Max Romeo – I Chase the Devil, 1976 – Produzida por Lee Perry e gravada pela competente banda The Upsetters no lendário Black Ark Studio, em uma época muito conturbada na Jamaica, foi o ápice da carreira do cantor.
#5 - Junior Murvin – Police And Thieves, 1976 – Mais uma obra prima de Lee Perry produzida no Black Ark, na voz em falsete do jovem Murvin, de Trenchtown, o hino rude-boy foi sucesso na Ilha e na Inglaterra.
#6 - Althea & Donna – Uptown Top Ranking, 1977 - A dupla vocal feminina não teve o devido reconhecimento na época na Jamaica, por suas letras ingênuas e românticas. Com o passar dos anos foi regravada por inúmeros artistas, mostrando a qualidade dessa música.
#7 - Tenor Saw – Ring The Alarm,1985 – Um dos maiores, senão o maior clássico do dancehall gravado sobre o riddim Stalag. O cantor morreu jovem, aos 22 anos, mas deixou grandes registros.
#8 - U-Roy – Jah Jah Call You, 198? – Uma das maiores lendas vivas do reggae não pode ficar de fora de um top 10. Essa é pedra preferida do Originator, codinome que explica a importância desse artista, tido por muitos como pai do Hip Hop.
#9 - Dennis Brown – Money In My Pocket, 1981 – Um dos maiores sucessos do cantor preferido de Bob Marley. Brown morreu em 1999 de pneumonia, deixando um imenso legado musical ao reggae.
#10 - Sister Nancy – Bam Bam, 1982 – A cantora pioneira do dancehall, que influenciou grandes nomes. Música sobre Stalag riddim, indispensável em qualquer coleção.
(por Dani Pimenta)

Tags: Sem categoria;

Não há mais posts para exibir.